segunda-feira, 20 de agosto de 2012

País Basco, pais vasco, pays basque…




Ou Euskadia. Ou seja, “terra do euskara”.
Um cantinho. No sul da Europa, no norte da verde Espanha, no sul da verde França. Os Pirinéus a separá-los , o golfo da Biscaia a banhá-los. Não assim tão longe de Portugal , mas ainda assim uns bons  kms. 
(google images)

Três províncias bascas autónomas do lado espanhol: Araba, Bizkaia e Gipuzkoa (nomes em basco)e ainda como falante do mesmo idioma, a província autónoma de Navarra. Três grandes cidades: Bilbao (Bilbo) , Donostia (San Sebastian) e Vitoria- Gasteiz. Se quisermos, ainda Pamplona , do lado de Navarra. Do lado francês também três províncias. Estivemos sobretudo do lado espanhol.
Para os espanhóis mais sectaristas este seu país devia ser independente. A divisa é:

(Zarautz)


Bastou-nos falar com uma aldeã bastante culta e carismática de Bermeo (na costa Basca espanhola) para perceber que Espanha é uma coisa, país basco outra: “ aqui temos mais …, em España…; aqui …., mas em Espanha é que mandam”…

                                                                (google images)

Para os franceses a coisa parece ser mais pacífica. Afinal se calhar há dois países bascos: o espanhol e o francês, apesar de o idioma ser o mesmo e de não o ser… É que para além do basco, os do lado espanhol ainda falam castelhano e os vizinhos mais acima ainda falam francês. Nalgumas zonas perto da fronteira falarão as três línguas. Certo, certo é que o idioma basco tem muitos “xis” e  é anterior a todos os tempos (segundo a lenda remonta ao tempo da torre de Babel e é tão difícil que o próprio diabo o estudou  vários anos e só conseguiu decorar três palavras).

Muitos países num só, é a luva que assenta bem a este cantinho verde e azul.  E a diversidade não é só em termos linguísticos. É também uma terra de grandes cidades que mesclam o velho e o novo sem ferir os sentidos;
 
de gente que trabalha e que produz – muita indústria de pescada, conservas; muitos campos cultivados - mas que ao mesmo tempo sabe aproveitar os seus recursos , como o  clima e a natureza; gente que para isso protege o que é seu: o meio ambiente, a arquitetura local, as tradições (pelota basca, jogos de força…), música (creio nunca ter visto tantos conservatórios de música por localidade como ali), literatura e arte em geral… e finalmente gente que sabe ser hospitaleira e é genuinamente simpática.



(Bilbao)

uma terra de verde intenso e de azul marinho; de mar que parece frio mas cujas temperaturas rondam os 23º;


( Monte Jaizkibel)


 (Donostia- San Sebastian)

(Vitoria- Gasteiz)

Lembram-se de pensar que o país basco era uma zona de terroristas, ai que medo, nem pensar ir a Vitoria ou Donostia, a ETA a fazer explodir turistas ??? Pois ainda há quem assim pense, mas desiludam-se , ali só vi a força da gente e da natureza. Quando? Este mês de Agosto, saboreando paisagens deslumbrantes, vilas piscatórias pacatas, cidades animadas, tapas e pintxos, canhas e sol, ah! E às vezes chuva. Não sei porquê mas no país basco chove sempre aos domingos e feriados, pelo menos no 15 de agosto. Os espanhóis ( os franceses não deverão chegar a tais extremos…)que se ponham a pau que qualquer dia ficarão como “nos outros”, sem esse feriado que é para não se queixarem da chuva…
(Pasai Donibane)

Fora de brincadeiras, aviso apenas que isto é só uma introdução. A narração completa destes eventos irá sendo aqui postada dia sim dia não, ou semanalmente, ou enfim, conforme as recordações me atacarem e o tempo o ditar.





3 comentários:

ANTÓNIO RESENDE disse...

Uma vez mais um magnífico relato de viagem muito bem ilustrado.
Viva o País Basco!
Viva o Alentejo!
Parabéns Paula.

Paula Vidigal disse...

Uma vez mais um belo elogio de um companheiro de viagens o qual nunca tive o prazer de encontrar por essas estradas.

Obrigada.

viajantedecasaascostas

AboutBC disse...

Saludos desde Euskadi

http://blog.aboutbc.info/2012/08/25/una-portuguesa-viajera-habla-de-euskadi-espanha-e-uma-coisa-pais-basco-outra/